Instagram
5 gafes que não dá mais para cometer no LinkedIn

Importante plataforma de conteúdo e relacionamento profissional, o LinkedIn registrou a marca de 23 milhões de usuários brasileiros no fim do ano passado.

Apesar da sua grande popularidade no país – somos o 3º maior público da plataforma no mundo, atrás de Estados Unidos e Índia – a rede social ainda desperta dúvidas em muitas pessoas. Até naquelas que já têm perfis no site há anos.

Isso quer dizer que os usuários ainda cometem muitos erros no LinkedIn? Para Fernanda Brunsizian, gerente de comunicação da empresa para a América Latina, a resposta é negativa. Segundo ela, não existe um jeito correto ou incorreto de usar a plataforma.

“Existem apenas atitudes que são proibidas, isto é, que ferem as normas do site, e aquelas que não ajudam o usuário a conquistar seus objetivos profissionais”, afirma.

Na visão de Dan Sherman, autor do livro “Obtendo o Máximo do LinkedIn” (Editora M.Books), não saber “se vender” é o principal erro estratégico dos usuários. O especialista defende que o perfil na rede social seja visto como uma peça de publicidade sobre a sua carreira.

“É um anúncio de você mesmo, quem você é, o que pode fazer e como pode fazer a diferença em uma empresa”, afirmou Sherman em entrevista exclusiva a EXAME.com.

Ainda assim, expor-se pouco, escrever textos prolixos, omitir certos detalhes pessoais e não listar as suas competências são equívocos táticos no LinkedIn – mas não são erros crassos.

Por outro lado, existem atitudes que realmente podem comprometer o seu aproveitamento e a sua reputação profissional no LinkedIn. Veja cinco delas a seguir:

1. Desconhecer os termos de uso do site
Segundo Fernanda Brunsizian, gerente de comunicação do LinkedIn para a América Latina, não são poucos os usuários brasileiros com perfis incompatíveis com o regulamento do site.

Há muita gente que cria perfis pessoais para empresas – que deveriam ter “company pages”, o formato adequado de página para pessoas jurídicas.

Outro problema frequente é ter contas duplicadas: o usuário esquece que fez um perfil no passado e cria outro com a mesma identidade. O passo a passo para identificar e resolver o problema está neste tutorial da rede social.

Discursos de ódio ou qualquer forma de discriminação também são veementemente proibidos pelos termos de uso e acarretam punições.

Leia a matéria completa em: Exame

Instagram